março 24, 2009

"ALGUÉM ACREDITOU EM MIM"




















©®is♫ “ALGUÉM ACREDITOU EM MIM...”


Como já relatei, desde 1995 não sou a mesma Maria Cristina.
Após o tratamento do estresse e da depressão, percebi que fiquei com “sequelas”.
Continuei trabalhando sem limites, esquecendo do que já tinha acontecido, e não tendo consciência do perigo do “estresse”.
Eu tinha que mudar totalmente o meu modo de vida, a minha rotina. Mas não, e não, e não!
Mesmo desmaiando todas as vezes que ia ao supermercado, mesmo tendo taquicardia ao lavar o quintal, mesmo tendo dores insuportáveis no corpo todo, na região pélvica, vagina e ânus (agulhadas) quando sentada dando aulas, sendo obrigada a interromper várias vezes o meu trabalho, eu continuei sem me preocupar com a intensidade das dores, com a fadiga, com as dificuldades todas que tornavam minhas atividades cada vez mais difíceis de realizar, cada vez mais e mais pesadas, sempre muito cansada.
Lembro que em 1999, quando meu velhinho Tio Leopoldo fa leceu, fiquei de luto, sem a secretária do lar, com mil problemas de ordem pessoal, emocional e profissional.
Perdi minhas aulas na Universidade e resolvi dar aulas particulares em casa – U.T.I. da Matemática e Estatística .
A U.T.I. foi um sucesso, pois tinha alunos de todos os níveis e cursos, e meu tempo era totalmente preenchido de trabalho, mas sem lazer, e muitas vezes dava aulas até de madrugada para alunos que só tinham disponibilidade para estudar no período noturno ou nos fins de semana, não esquecendo o trabalho com a família, casa, agregados.
Desde meados de agosto de 1998 que as dores de cabeça, coluna, boca, cólicas abdominais, diarréias, engasgos (disfagia), enfim, estavam me judiando por demais, me impossibilitando de ter uma vida normal.
Mesmo assim, ainda acreditava que eu era uma “mulher maravilha”!
Desmaiava, voltava ao normal e continuava a trabalhar como se nada estivesse acontecendo.
Fiz um breve tratamento em 1998, de mais ou menos três meses, de acumputura, pois as dores de cabeça, nos dentes, no céu da boca eram de amargar!
Também fazia tratamento para o Distúrbio do Sono e fazia uso de diazepan 10 mg para dormir e tylenol ou dipirona para dores, medicamentos esses que não adiantavam em nada, além de inúmeros outras drogas receitadas como neusaldina, tegretol, cefalexin e outros.
Tinha também, junto com as cólicas umas dores parecidas com as contrações do parto, tendo também um período igual entre uma e outra contração, um frio intenso, absurdo. Tinha que me deitar imediatamente e minha família colocava mais de três cobertores, colchas e colchas, mais bolsa de água quente nos pés e na barriga.
Meu corpo ainda continuava sempre suado e gelado, com uma sudorese intensa.
Não sei como aguentei e ainda suporto esses sintomas todos!
Além da fadiga, das dores infernais, tinha ãnsias de vômito, enjôos e os alimentos muitas vezes não passavam pela garganta.
O mais incrível é que, com tudo isso, prestei um Concurso em janeiro de 2000 para o cargo de Professora da Prefeitura Municipal de Santos e passei em 37o. lugar e fui chamada quase que imediatamente após sair o resultado no Diário Oficial da PMS (Professora Substituta II para o ensino fundamental).

Obs.: Ironia do Destino – em novembro/dezembro de 2003 recebi telegrama do Departamento de Recursos Humanos da PMS para comparecer na Perícia, com o objetivo de fazer os exames pré-admissionais necessários para minha nomeação (efefivação). Mesmo de cadeira de rodas, compareci aos exames, pois apesar de não conseguir fazer qualquer atividade em mais de duas horas por dia, acredito ainda na possibilidade de voltar a trabalhar.
Gente! Mais uma perda! Apesar dos médicos se cerrtificarem da minha lucidez e capacidade para realizar qualquer atividade usando apenas a parte intelectual, não havia como assumir minhas atividades laboratorais.
Resultadodo: inapta para a função, mas não para o trabalho
Fui super respeitada por todos os médicos, mas já sabia que era mais uma batalha perdida. A batalha sim, mas não a guerra!


Gente, quando compareci na escola para assumir algumas das aulas, Meu Pai! Adentrei a classe de aula (ou melhor, fui jogada para dentro dela, praticamente), me deparei com alunos totalmente indisciplinados , mas tirei de letra, sendo nomeada, no mesmo dia, pela vice diretora, Coordenadora da classe mais problemática da escola no período vespertino (é ruim, heim! “A poderosa”???).
Meu marido também adoeceu (1999/2000), com depressão profunda e estresse.
A internação necessária dele no hospital mexeu demais comigo e com os meninos. Não sei como aguentei tantas coisas pesadas, desgastantes, com todas as dores e sem dormir – insônia total.
Em junho/2000, fui internada com dores abdominais, fisgadas no ânus e na vagina, dores de cabeça e no corpo inteiro. O médico que estava de plantão, solicitou tudo quanto era exame e nada – todos negativos e não foi encontrado nada que justificasse a intensidade das dores. O Dr. Paulo foi um dos que leram em meus olhos o meu sofrimento, mas sem entender o que estava acontecendo. Olhou para mim, perguntou como eu estava me sentindo, e mesmo tendo eu mentido para ele, dizendo que estava melhor (morrendo de medo), o Dr. Paulo me internou por dois dias, para tomar os analgésicos e medicamentos necessários para dimimuir as dores, ou seja, fez alguma coisa para aliviar minhas dores (triste ilusão!). A partir desta data, fiquei acamada por seis meses, ininterruptamente.
Não conseguia aceitar minha realidade e, quando melhorava um pouquinho, levantava para dar aulas. A dificuldade era tanta que dormia vestida para sair da cama apenas no horário de trabalhar. Qual nada!
Fui obrigada a tirar licença médica pelo INSS. Ninguém merece!!!
Quanto ao psiquiatra, ele teimava em afirmar, várias vezes, que eu estava com “depressão pelo corpo”. Nadica de nada foi feito, nenhuma investigação para descobrir o que realmente estava acontecendo. Me receitou o anti-depressivo Zoloft e Lioresal.
Esquecer a revolta que senti por não ter um comprimido sequer para aliviar aquelas dores infernais... Gente! Foi dose! (tipo: tá difícil, toma um Dreher!).
As dores só diminuiam quando eu ficava deitada na horizontal, sem me movimentar, totalmente agasalhada, mantida aquecida, sem falar, rir, chorar ...
Quando choro, a cabeça e a arcada dentária doi por demais, parecendo que vai explodir, e as dores no corpo todo aumentam.
Aceitar tudo isso com 43 anos, dentes se perdendo e o corpo caindo não está sendo fácil!
A doença parece me dizer: - “Cris, você vai ter que me engolir! Fala sério!
Em 2001 teimei em continuar na ativa, mas foi um desastre só.
Ver minha mãe sofrer está sendo muito doloroso pra mim, pois piora meu estado emocional. Nem ela e nem ninguém da família aceitava a frase “depressão pelo corpo”!
Temos que admitir que foi desumano e descaso total, impossível acreditar que não havia um médico que se interessasse em descobrir o que realmente estava acontecendo, me ajudando ao menos com qualquer medicamento que aliviasse as dores!
Minha mãe ficou sabendo, nesta época, que existia um médico excelente, ortomolecular, o qual era por demais conceituado e, sendo assim, marcou uma consulta para mim, sendo que tive que aguardar quatro meses, pois a consulta era para abril/2001 (primeiro contato pelo telefone em janeiro/2001).
Quando conheci Dr. Luiz Alceu de Araújo, disse a ele, com toda sinceridade, que estava desacreditada, cansada da maratona atrás de um profissional.
Disse a ele que minha vida era resumida em “DORES”, que eu queria viver normalmente, que adorava trabalhar, mas que meu corpo não obedecia aos comandos de meu cérebro. Comentei também sobre a tal “DEPRESSÃO PELO CORPO”...
Dr. Alceu foi por demais atencioso, não me pediu para ser objetiva, ficou o tempo necessário para me conhecer bem e passou umas fórmulas para diminuir a fadiga e as dores, e outras fórmulas para amenizar a tristeza e a ansiedade.
Após essa consulta, voltei a ter esperanças, acreditando que desta vez daria certo. Gente! Coloquei a maior fé! Dizia paras os alunos que agora eles tinham uma professora totalmente “vitaminada” (meu corpo estava super inchado, parecendo até que eu estava “ligeiramente grávida” – o pior era que, o que eu comia, não justificava um abdomen tão grande).
Nesse mesmo período, gastei uma fortuna com outro tratamento alternativo – HERBALIFE.
Em outubro/2000, decidi retornar o tratamento com a minha psicóloga Dra. Tamara Crema. Como estava cada vez mais difícil para andar, me locomover, fazia as sessões de psicoterapia em casa, nos meus quinze metros quadrados, tratamento esse que foi fundamental e me ajudou bastante.
Em julho de 2001 peguei DENGUE. Como eu já estava acamada, sem conseguir mais andar por causa das dores, nem trabalhar, só percebi que era Dengue uns quinze dias depois, com o aparecimento de manchas vermelhas e com os resultados dos exames de sangue.
De lá para cá não me levantei mais. Fui piorando progressivamente.
Voltei então para a consulta com Dr. Luiz Alceu.
Quando o Dr. viu como eu estava, me arrastando literalmente, segurando em alguém da família, com todas aquelas dores infernais, chegou à seguinte conclusão: - Existe alguma enfermidade ainda não detectada, alguma explicação para tudo isto e, portanto, medicamentos próprios para o alívio de todos esses sintomas inexplicáveis.
DR. LUIZ ALCEU ACREDITOU EM MIM...
Decidiu começar um grande processo de investigação. Ele chegou até a suspeitar de uma “esclerose múltipla”.
Depois de tantos exames, ultrasonografias, tumografias, e dando negativo todos os resultados, ou seja, nada que justificasse o meu estado deplorável, Dr. Luiz Alceu decidiu me encaminhar para um Neurologista, dizendo que tinha que haver um motivo para todo esse desgaste de meu corpo.
Nesse ano de 2001, tive que novamente entrar de licença médica pelo INSS (uma loucura!!!). Meu estado estava sério e, mais uma vez, lá fui eu para outra consulta médica!
Sou uma pessoa muito alegre e falante, mas lembro que na sala de espera da Dra. eu não conseguia conversar com ninguém, tamanho era meu desânimo e falta de esperanças. Não estava mais aguentando tantas dores pelo corpo todo, tonturas, enjôos, disfagias, fadiga total. Dra. Sandra Corrêa Carvalho escutou com toda a atenção tudo que relatei, examinou uma enormidade de exames e finalizou a consulta me dando um folheto explicativo sobre a FIBROMIALGIA. Acreditava que os sintomas relatados tinha tudo a ver com essa Síndrome, mas que em Santos não existia um lugar adequado para tratar dessa enfermidade.
Informou que em São Paulo havia clínicas especializadas, mas que meu convênio médico Unimed (regional) não cobria o tratamento. Me deu um cartão do Dr. Cláudio Corrêa, esposo dela, o qual tinha uma Clínica especializada em São Paulo. Disse também que eu poderia tentar um tratamento no Hostipal das Clínicas. Saí do consultorio calada, triste, magoada, sem perspectivas, tive acesso de choro e necessidade de ficar só para conseguir entender o que estava acontecendo, precisava associar as informações.
E agora, Jesus! Vou ter que começar tudo de novo?
ESTOU COM FIBRO O QUÊ?
SURTEI! Foi difícil cair na real, aceitar que teria que começar mais outra maratona, mais uma batalha, indo de cá para lá, e as dores acabando comigo.
Meu Pai! Eu vou ficar, ar, ar... Ficar com certeza, maluca beleza!!!
O pior é que eu não tinha nem idéia do que ainda estava por vir.
Sobre o INSS, foi outra luta: escrevi um capítulo especial só para o SUS, e no Capítulo “Maratona” vocês vão ver que eu, “Maria Cristina”, fui tratada, por muito tempo, como uma bolinha de pingue pongue, iniciou-se mais uma batalha e tanto.
Dedico este capítulo ao Doutor com “DR MAIÚSCULO” DR. LUIZ ALCEU DE ARAÚJO.
Se não fosse ele, eu ainda estaria hoje, como muitas e muitas pessoas, principalmente as mulheres, tomando mil antidepressivos e analgésicos diversos, acreditando que o problema era psíquico ou psicológico ou, como as pessoas costumam dizer: isso é coisa de cabeça, paranóia e outras coisitas mais.







VALEU, DR. LUIZ ALCEU!
SEREI ETERNAMENTE GRATA A DEUS POR COLOCÁ-LO EM MEU CAMINHO.

Capítulo Escrito por ProfªMaria Cristina Quintana Ribeiro Garcia






(foi a partir dessa data que comecei a estudar e pesquisar sobre a Fibromialgia, não encontrando qualquer pessoa nas ruas, taxis, ônibus, hospitais, enfermarias, e em muitos Consultórios Médicos o que era isso, fibro o quê? Mas o pior de tudo isso, é que nós, portadores da Sindrome da Fibromialgia continuamos com o mesmo problema: - nos olham bem, e perguntam fibro o quê? É LAMENTÁVEL, SEM COMENTÁRIOS (POR ENQUANTO!!!!)

2 comentários:

Van Sart disse...

Olá Maria Cristina!

Também sou fibromialgica e tenho sempre a sensação de que todos estão debochando de mim. Algumas pessoas, inclusive e principalmente as mais próximas entendem o que passamos, porém as demais...
Ouço cada absurdo que às vezes surto mesmo e respondo de forma até mesmo brusca.
Não dá para ser 100% relax.
O Inss então Meu Pai...
Bom passei aqui só pra dizer que estamos fibromialgicos e não somos, se Deus quiser teremos cura, um dia!
Abraços e fique com Deus,

Vanessa Sartori.

Van Sart disse...

Olá Maria Cristina!

Também sou fibromialgica e tenho sempre a sensação de que todos estão debochando de mim. Algumas pessoas, inclusive e principalmente as mais próximas entendem o que passamos, porém as demais...
Ouço cada absurdo que às vezes surto mesmo e respondo de forma até mesmo brusca.
Não dá para ser 100% relax.
O Inss então Meu Pai...
Bom passei aqui só pra dizer que estamos fibromialgicos e não somos, se Deus quiser teremos cura, um dia!
Abraços e fique com Deus,

Vanessa Sartori.

10:03 PM